. 27.9.18 .
De vez em quando separo uns caules de planta que estão aparentemente enfraquecidos e começando a murchar.
Tiro com cuidado as partes que já não servem mais, coloco nesse vidrinho com água limpa e onde possa receber luz e vento fresco.

13.julho.2018
Leva algum tempo pra ela se adaptar a esse novo modo de viver.

27.setembro.2018
Mas esse dia chega. Ela precisava das condições certas, se ver livre do que não é útil e um pouco de paciência pra continuar crescendo ♡.

. 25.9.18 .

Aproveitando a chegada da primavera, registrei nas páginas do meu diário/caderninho de memórias uma frase que postei dia desses no twitter:
 é hora de criar e nutrir um espaço para florescer, amor

Me sinto inerte muitas vezes, como se não estivesse me dedicando totalmente e aproveitando meu potencial pra fazer as coisas acontecerem. 

Então essa foi uma mensagem para mim mesma, um lembrete de que eu precisava começar a construir um espaço que fizesse sentido pra mim e alimentá-lo com o que acredito e me sustenta, me dá força. Seja nutrindo as relações de amizades, amorosa, de trabalho e principalmente a relação comigo mesma. Com meus sentimentos e a relação que tenho com a minha aparência.


Com a estação das flores aí, essa frase traz ainda mais valor, né? E o melhor é que as coisas parecem estar flo(c)rescendo mesmo. 


Sinto um crescimento em relação a como lidar com algumas coisas e situações e com isso eu aprendo a cultivar um ambiente mais propício a brotar coisinhas melhores pra mim e pro mundo. Sacam?

Às vezes a gente nutre as partes erradas dentro da gente e o resultado acaba sendo um campo cheio de inseguranças, incertezas, autossabotagem e por aí vai. Só aquilo que impede a gente de crescer e brilhar.


Então tome esse lembrete pra você também e vamos juntos criar flores por aí.

É um vivendo e florescendo eterno 🌻

. 23.9.18 .

Dia desses resolvi pintar, uma atividade que sempre gostei de fazer quando criança. Sem pressão de perfeição e preocupação com o que fosse se originar.  Um desejo agitado de querer fazer algo sem pensar no próximo ato.

Inspirada pelas formas em curva da natureza e no calor dos tons quentes do meu amado Sol expirei criação. 

Só queria me sentir livre nas pinceladas, explorar os materiais, observar as misturas de cores, alterar a textura original da tinta para algo mais liquido e transparente.

Me transparecer no papel.

Um deixar-se fluir, como a tinta do pincel quando toca a água e se esvai.

Se liberta.

. 19.9.18 .

• J U L H O •

Diário


Foi no mês de julho que resolvi de vez entrar nesse universo de registrar momentos, lembranças e o que quer que seja em um caderninho. Comentei no gratitude anterior que fiquei inspirada em tentar depois de ver a Lary e a BA fazendo isso.

A verdade é que não escrevi nele todos os dias e também não tem regra e nem precisa ter. É uma coisa que acontece de maneira genuína e autêntica pra gente poder botar o que tá dentro ali no papel e expor sobre ele do jeitinho que der vontade. Eu por exemplo gosto de fazer colagens, usar papel kraft, jornal, de livro, usar washitape, fazer lettering, desenhar e escrever. Pode até ser só uma frase bonita pro dia e pronto. 



Essa lindeza acima é um caderninho (acho que era da Avon) sem pauta com folhas ilustradas com flores, borboletas e beija-flor que era da minha mãe, porém nunca foi usado e eu peguei pra mim há muito tempo. Também só usei uma folha até agora. Ele tem um calendário de 1988 no final HAUHAU. Gosto de deixar ele por perto pra quem sabe usar uma folha bonitinha e colar no caderno.
Quando fui usar a primeira folha comecei pelo visual das páginas, fui colando uma foto aqui, um papel rasgado ali, fiz uns desenhos. Sinceramente achei que não conseguiria escrever nada. Não sei porque, mas a sensação foi de estar falando verbalmente comigo mesma sobre coisas que só guardo e vão se acumulando num cantinho fechado da minha mente. Como se eu abrisse essa porta, pegasse na mão de um pensamento e dissesse: okay, vamos falar sobre isso? E a resposta foi sim ♡.

O que no começo foi uma manifestação tímida de palavras, comecei a ficar sem espaço nas duas páginas que separei pro dia ^-^. Confesso que gostei e vou continuar. Até porque a minha parte favorita é a estética, amo e me divirto muito.

Leituras


Lembram quando disse que iria terminar o livro da Chimamanda em julho? Pois então, além de terminá-lo comecei um compromisso comigo mesma de ler 1 livro por semana e cara, TÁ DANDO MUITO CERTO! Isso só me fez comprovar que eu tenho a capacidade de fazer as coisas, mas é preciso haver comprometimento e organização. Tô sim muito orgulhosa e feliz demais pelas leituras inclusive!

Então em julho tivemos: no seu pescoço de Chimamanda Ngozi, o ódio que você semeia de Angie Thomas e o ano em que disse sim de Shonda Rhimes. Todas mulheres e negras \o/. Leituras incríveis

Dando uma adiantada, em agosto eu finalmente li o planeta dos macacos de Pierre Boulle e mano, como eu AMEI. Só livro show, minha gente. A leitura dessa semana é onde cantam os pássaros de Evie Wyld e faltam mais três capítulos pra meta do dia. Ainda estou conhecendo os personagens e tudo mais, mas comprei porque disseram que era muito bom, veremos.
Esses foram os brindes que mencionei no post anterior da exposição Ex África do CCBB. O caderninho que virou diário e o pendrive chiquérrimo. ~ Adorei os mimos!



Arte


Logo no comecinho do mês eu fiquei a feliz da vida depois de ver meu trabalho sendo compartilhado nada mais nada menos que no não me mande flores da linda da Camila. O cantinho dela é todo feito de puro bom gosto e cheios de achados belíssimos, então me ver ali foi uma das coisas mais motivadoras que pode acontecer. Receber esse reconhecimento de vocês é muito importante pra mim e agradeço cada comentário que cês fizeram lá na postagem! Vocês são incríveis e muito carinhosas! Obrigada!! ♡♡♡

Ah, também terminei de montar o cesto de jornal, agora só falta pintar, então vou deixar pra mostrar ele todo acabadinho e com a finalidade que dei pra ele depois.

No fim do mês (30) completei 25 anos e apesar de ficar surpresa por já ter chego nesse número, me senti uma Mulher e tanto, sabe? Sem medo de crescer e só grata por existir nesse corpo ♥. Como foi pra vocês chegarem nessa idade?

• A G O S T O •


+ Arte


Como não conseguimos postar o mês de agosto certinho no mês dele, tivemos que fazer essa junção em um post só novamente xD. Iniciei os experimentos com tingimento natural e tô amando tanto essa experiência ♥. 


Finalizei o cesto e estou utilizando para guardar os retalhos de tudo que usar no meu trabalho no Khaule ♡.

+ Leitura

Não consegui continuar Onde Cantam os Pássaros :S. Então mudei de livro e comecei Coração Satânico de William Hjortsberg e dessa vez a leitura me conquistou. É policial/investigativo s2. Ainda não acabei por pura falta de planejamento, mas tô amando!

Não me lembro de mais nada, então vou parar por aqui mesmo auhsuashuah. Preciso voltar a escrever no diário pra não deixar passar as coisas, né? Vou melhorar. 

mais post de gratidão com os migos s2 ->> Bruna & Guttho

. 7.8.18 .
No sábado do dia 7 de julho fui com meus irmãos e o boy visitar a exposição EX África aqui no CCBB de São Paulo e isso só me fez querer continuar com esse hábito de conhecer mais da cultura e artistas africanos e preencher esses espaços preparados a nos receber e trazer de volta esse contato, um pouco dessa africanidade que nos foi e é privada todo dia.

A exposição contou com obras de 18 artistas vindos de 8 países africanos, juntamente com mais 2 artistas brasileiros, sendo eles Dalton Paula (esqueci de editar a foto dele, depois atualizo aqui O:) e Arjan Martins.

Cada obra ali representando algum tipo de protesto e buscando a interpretação e reflexão de quem observa. Inclusive, esse post será de muitas imagens, um registro mais visual do que eu presenciei mesmo. Por hoje deixo as palavras de lado. Espero que gostem também ♡.

J.d . ‘oKHai oJeiKere // Série PenteadoS - Nigéria




ibraHiM MaHaMa // ParaíSo Perdido não orientÁvel, 1667-2018 - Gana

Youssef liMoud // MaQaM, 2017 - Egito 


Kudzanai cHiurai // gêneSiS [Je n’iSi iSi] iv, 2016 - Zimbábue

leonce raPHael aGbodJélou // tríPtiCo Sem título - Code noir - Benin

ndidi diKe // instalação troca Pela Vida, 2017 - Inglaterra

Leonce Raphael aGbodJélou // tríPtiCo Sem título - Code noir - Benin

oMa r Victor dioP // oMar ibn saïd // aYuba suleiMan diallo, 2014 - Senegal


Arjan Martins // Sem título, 2016 - Brasil



a tHousand Men can not build a citY // mil HomenS não ConSeguem ConStruir uma Cidade, 2017

Jelili atiKu alaaGba, 2014 / 2017 - Nigéria











 MiKHael subotzKY & PatricK Waterhouse // 12 ProJeçõeS de JanelaS, Ponte City, 2008-2011 - África do Sul

Por fim em uma sala escura dentro de uma tela enorme, se passava repetidamente o trabalho visual da música de Nástio Mosquito, um artista nascido em Huambo, Angola. Adoramos.
O artista multimídia Nástio Mosquito é conhecido por suas performances, vídeos, músicas e poesia, que mostram um intenso compromisso com o infinito potencial da linguagem. Facilmente mal interpretado como uma espécie de cansaço do mundo, suas obras expressam um desejo urgente e extraordinário de se envolver com a realidade em todos os níveis.
Trecho retirado do mini catálogo em PDF da Exposição 


Ainda no final pegamos nossos brindes. Recompensa por termos ido atrás de cada pista sobre a exposição pelos QRcode espalhados pela salas. Foi um pendrive com esse mini catálogo e um caderninho muito bonitinho que comecei a usar como meu diário. Sim, eu comeceiii ♥.